sexta-feira, 16 de março de 2012

"Petistas, Esquerdistas, Simpatizantes da Pederastia e Intelectuais Eticistas Australianos" Defendem o Direito de Matar Bebês Após o Nascimento (Título deste blogueiro Cultura Calvinista)

Eticistas Australianos Defendem o Direito de Matar Bebês Após o Nascimento


Por que deixar um recém-nascido indefeso viver? Isso é o que uma dupla de eticistas australianos quer saber.

Em um chocante artigo intitulado “Aborto pós-parto: Por que deixar o bebê viver?” recentemente publicado no Journal of Medical Ethics, Alberto Giubilini e Francesca Minerva defendem que uma sociedade que permite abortos também deve dar o direito de matar recém-nascidos.



Consta no resumo: “Ao mostrar que (1) tanto os fetos quanto os recém-nascidos não possuem o status moral de pessoas de verdade, (2) o fato de que ambos são pessoas em potencial é moralmente irrelevante e (3) a adoção nem sempre é do interesse das pessoas de fato, os autores argumentam em favor do que chamamos de “aborto pós-parto” (matar um recém-nascido) deve ser permitido em todos os casos em que o aborto for permitido, incluindo casos em que o recém-nascido não tiver deficiência".

Os autores estão dispostos a admitir que crianças com deficiências são capazes de ter vidas felizes, mas defendem que, devido ao fardo imposto ao resto da família, os pais devem ter o direito de tirar a vida dessas crianças. Se o teste para o direito à vida for baseado em representar um fardo aos outros, a vida de todos nós estaria sob risco em um ponto ou outro.

A questão então se torna: quão oneroso você deve ser para merecer seu assassinato?

Como enxerga o Liberty Counsel, essa posição chocante poderia motivar uma outra perspectiva ao aborto legalizado. Se nossa sociedade não está disposta a aceitar o direito de matar recém-nascidos, ou mesmo crianças maiores, por que permitimos o assassinato de bebês no ventre? O Liberty Counsel argumenta que a destruição de outro ser humano, não importando a idade, tamanho ou capacidade, nunca deve ser permitida.

“O aborto abre caminho para o infanticídio. Se você matar uma criança no ventre, mesmo logo antes do momento de nascer, então não existe razão lógica para protegê-la após o nascimento”, argumenta Mathew Staver, fundador e presidente do Liberty Counsel. “Um ser humano começa no momento da concepção, e deve ter direito a proteção em todos os estágios da sua vida. Essa é a única posição logicamente defensável. É chocante ver pessoas defendendo a matança de crianças depois que elas nascem. É simplesmente chocante”.

Traduzido por Luis Gustavo Gentil do artigo do Charisma News: Australian Ethicists Argue the Right to Kill Babies After They’re Born “Australian Ethicists Argue the Right to Kill Babies After They’re Born ”

Fonte: http://www.juliosevero.com/

Infame defensor do infanticídio irá palestrar em igreja do Canadá

Paixão indígena: a luta de Damares Alves para resgatar crianças indígenas

Sob pressão da Funai, Congresso Nacional aprova lei debilitada contra infanticídio indígena

Zoológicos humanos

Campanha internacional para resgatar crianças indígenas do Brasil

Google censura grito de socorro em favor de crianças indígenas

Cristãos que apoiaram JOCUM na luta contra o infanticídio indígena são criticados por ex-diretora

Admirável Mundo Novo: especialista em ética da Inglaterra quer que mulheres abandonem maternidade e usem úteros artificiais

Admirável Novo Mundo: Sexo para bebês será obsoleto em dez anos, gabam-se pesquisadores

“Frankenstein”: Cientistas da Inglaterra alertam sobre pesquisas secretas de híbridos de seres humanos com animais

“Frankenstein” ou grande avanço científico?: Biólogo americano cria polêmica com DNA artificial
 
Divulgação: http://cultura-calvinista.blogspot.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário