sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Professor Universitário, defensor do "iluminismo", "deveres-humanos-sem-deveres-humanos", construtivismo, sodomia, relativismo moral-ético, militante na luta contra o "preconceito" - é preso suspeito de abuso contra 6 jovens

MG: professor é preso suspeito de abuso contra 6 jovens


Ney Rubens - Direto de Belo Horizonte




Um professor universitário foi preso na noite de quarta-feira suspeito de pedofilia em Nanuque, no Vale do Mucuri, região nordeste de Minas Gerais. Segundo o boletim de ocorrência registrado pela Polícia Militar, Jeová Brito de Sampaio, 57 anos, foi flagrado em casa quando supostamente mantinha relações sexuais com seis adolescentes, com idades entre 12 e 17 anos.

"Os jovens contaram que foram convidados para lavar roupa na casa do autor e que depois foram chamados para irem até seu quarto e praticarem sexo (...) em troca de dinheiro", relataram os militares responsáveis pelo registro da ocorrência. De acordo com a polícia, os adolescentes contaram que receberiam de R$ 3 a R$ 10: "Um dos adolescente, que tem 14 anos, confessou que mantém relações desde os 13 anos com o suspeito e que sempre vai à casa dele para usar o computador", registrou o BO.

Segundo o delegado responsável pelo caso, Luis Henrique do Santos, Sampaio foi preso em flagrante e levado para o presídio regional de Nanuque. Ele não tem passagem pela polícia e foi autuado por estupro e corrupção de menores. Será aberto procedimento investigatório para verificar se há outras crianças e adolescentes envolvidos no abuso. O delegado afirmou ainda que "todos os adolescentes encontrados na casa dele são carentes e não tem qualquer problema infracional".

Ainda de acordo com o delegado, Sampaio é professor universitário na Bahia e dá aulas na Escola Estadual Antõnio Batista da Mota, em Nanuque. A polícia não soube informar se os jovens encontrados na casa de Sampaio são alunos do professor. Eles foram encaminhados ao Conselho Tutelar da cidade, que vai chamar os pais para prestar esclarecimentos.


Fonte: TERRA

Divulgação: http://luis-cavalcante.blogspot.com

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

(Direto de Portugal) - O lóbi político gay quer que os meninos usem saias

O lóbi político gay quer que os meninos usem saias

by O. Braga

"Holyrood’s Public Petitions Committee is considering a proposal from a 13-year-old schoolboy to scrap ‘gender specific’ uniforms.
The campaign has been backed by the Scottish Transgender Alliance and LGBT Scotland, but education minister Michael Russell MSP believes it is a matter for education authorities."
Numa altura em que as feministas lutam para que as mulheres usem exclusivamente calças, o lóbi político gay da Escócia defende a ideia de que os meninos devem ser autorizados a ir para a escola de saias, alegadamente porque os uniformes escolares tradicionais podem causar “desconforto” em crianças com “desvios de género”. É caso para dizer que “em casa de gay, quem veste as calças é a mãe”.


Divulgação: http://luis-cavalcante.blogspot.com

(Direto de Portugal) - O fim da idade da inocência - (Você é o meu convidado para combatermos o relativismo ético e moral nas escolas e dizermos NÃO as teorias educacionais libertinas, esquerdistas, "construtivistas" e "progressistas" prol legalização acadêmica da PEDOFILIA e Pederastia).

O fim da idade da inocência

by O. Braga

Depois da transformação da mulher em objecto sexual — o que é um facto sociológico e cultural contemporâneo inegável —, a revolução sexual segue o seu curso previsível e pretende transformar a criança — desde o seu nascimento! — em um objecto sexual através da legalização da pedofilia, mediante a classificação da pedofilia como “orientação sexual”. E na linha da frente da normalização da pedofilia, está o activismo político gay.
Um
estudo “científico” recente realizado nos Estados Unidos chegou à conclusão de que as crianças [na esmagadora maioria, do sexo masculino] abusadas sexualmente entram em “não-conformidade de género” — que é um eufemismo que o referido estudo “científico” arranjou para “confusão de género”.
Porém, o estudo científico diz que o abuso sexual das crianças, considerado em si mesmo, não é um mal: o que é mau é a reacção dos pais da criança em relação ao comportamento anormal subsequente ao abuso. Segundo o estudo “científico”, depois de a criança ser abusada sexualmente, os pais devem colaborar activamente com o comportamento anormal da criança que decorre do abuso sexual que sofreu, e mesmo incentivar a “não-conformidade de género da criança”.

Resumindo as conclussões do estudo “científico”:

  • não existe nenhum mal em uma criança ser abusada sexualmente;
  • o mal existe apenas e só quando os pais da criança não colaboram com, e não incentivam, a confusão de género da criança que decorreu do abuso sexual que sofreu.

Caros amigos: perante isto,
é “entrar com pau” neles e “baixar o porrete”. Não há outro caminho possível.


Divulgação: http://luis-cavalcante.blogspot.com