quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Eliézer de Mello Silveira denunciou Luiz Mott ao Ministério Público Federal da Bahia: APOLOGIA DE CRIME DE PEDOFILIA. Luiz Motta, professor universitário, líder do movimento gay, petista, esquerdista, marxista e socialista da Universidade Federal da Bahia, agraciado por LULA por medalha, se orgulha de ter tido relações sexuais com mais de 500 homens, deve ir URGENTE PARA CADEIA POR FAZER APOLOGIA A PEDOFILIA. Um abismo chama outro abismo!

Eliézer de Mello Silveira denunciou Luiz Mott ao Ministério Público Federal da Bahia: APOLOGIA DE CRIME DE PEDOFILIA. Luiz Motta, professor universitário, líder do movimento gay, petista, esquerdista, marxista e socialista da Universidade Federal da Bahia, agraciado por LULA por medalha, se orgulha de ter tido relações sexuais com mais de 500 homens, deve ir URGENTE PARA CADEIA POR FAZER APOLOGIA A PEDOFILIA. Um abismo chama outro abismo!

http://luis-cavalcante.blogspot.com/2011/12/eliezer-de-mello-silveira-denunciou.html

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

CONTRA A PEDOFILIA RADICALMENTE, CADA PAI-MÃE ATENTO CONTRA A CULTURA ESQUERDISTA, LIBERAL, DARWINISTA, RELATIVISTA, NATURALISATA E DESCONSTRUCIONISTA DA PEDOFILIA

BATISTAS CONTRA A PEDOFILIA

Manifesto da Convenção Batista Brasileira pede maior atenção

Por: Redação Creio

O número de casos de pedofilia pela rede cresce sem parar no Brasil. O País ocupa a terceira posição no ranking dos que mais consomem esse tipo de material pornográfico, atrás apenas dos Estados Unidos e Alemanha, respectivamente. A pedofilia é um mal que afeta não só a criança, mas toda a família vitima. É um mal escondido que precisa fazer parte de uma campanha que envolva todas as esferas da comunidade. A Convenção Batista Brasileira preocupada com os crescentes índices emitiu um manifesto sobre a pedofilia.

O documento assinado por toda entidade destaca que considera a ‘pedofilia uma distorção sexual por tratar-se de uma das mais graves degradações da sexualidade’ e um ato que fere os artigos 15 a 18 da Constituição Brasileira. O texto conclama ainda que as autoridades governamentais, que intensifiquem, por todos os meios que tem, sob sua gerência e canais de ação imediata, o combate implacável e leis mais duras de vigilância.


MANIFESTO DA CONVENÇÃO BATISTA BRASILEIRA

SOBRE A PEDOFILIA


A CONVENÇÃO BATISTA BRASILEIRA, uma família formada por cerca de 2 milhões de pessoas, que se reúnem em 12.360 templos no território nacional, organizada em 1907, com o objetivo de servir às igrejas batistas brasileiras como sua estrutura de integração e seu espaço de identidade, comunhão e cooperação, definindo o padrão doutrinário e unificando o esforço cooperativo dos batistas em nosso país, torna público seu veemente repúdio à prática da pedofilia, compreendendo-a como aberração inaceitável e crime hediondo, consistindo em qualquer abuso físico ou psíquico de cunho sexual praticado contra a criança e o adolescente.


Consideramos a pedofilia uma distorção sexual por tratar-se de uma das mais graves degradações da sexualidade. Entendemos que tal anomalia, pela qual o indivíduo adulto sente atração sexual por crianças, toca-as intimamente, obriga-as a práticas sexuais, constrange-as a se exibirem ou as expõe a imagens de natureza pornográfica ou consome, ele mesmo, tais imagens; provoca um desvio de conduta que transgride, de modo direto e inequívoco os princípios e valores do Evangelho de Jesus Cristo, bem como a Constituição Brasileira, em seus artigos 15 a 18, onde assegura à criança o direito “à liberdade, ao respeito e à dignidade como pessoas humanas em processo de desenvolvimento e como sujeitos de direitos civis, humanos e sociais”; e coloca em risco iminente a inviolabilidade da sua integridade física, psíquica, emocional e moral.


Levando em consideração o artigo 18 da Constituição, segundo o qual “é dever de todos velar pela dignidade da criança e do adolescente, pondo-os a salvo de qualquer tratamento desumano, violento, aterrorizante, vexatório ou constrangedor”, os batistas brasileiros, à luz dos ensinos da maior de todas as constituições cidadãs, a Bíblia Sagrada, dirigem-se aos representantes abaixo relacionados com as solicitações a seguir:


1. Às autoridades governamentais, que intensifiquem, por todos os meios que tem, sob sua gerência e canais de ação imediata, o combate implacável a essa prática cruel e doentia;

2. Às casas legislativas e órgãos da justiça, que se mantenham em permanente e diligente vigilância, aperfeiçoando e aplicando com exemplar eficácia a legislação adequada para punir e erradicar os atos de pedofilia, bem como para proteger, garantir tratamento e assegurar os direitos das suas vítimas em nossa sociedade.

3. Às organizações educativas e religiosas, que procurem orientar pais e filhos acerca desse mal, em termos de prevenção e cuidados; conscientizar os cidadãos a respeito dos terríveis prejuízos que tal prática causa ao bem-estar físico e ao equilíbrio emocional de uma criança, apontando os caminhos a serem seguidos para que os riscos sejam identificados e combatidos.

4. À sociedade como um todo, que se mostre disposta a rejeitar essa repulsiva degradação; determinada a identificar e denunciar, de forma corajosa, aqueles que se tornam agentes de tal prática, afim de que sejam exemplarmente punidos pelos órgãos competentes, e pronta a amparar, socorrer, orientar e cuidar, com amor e responsabilidade, das vítimas da pedofilia e seus familiares.


Ressaltamos o fato de que o Evangelho de Jesus Cristo, razão maior da nossa proclamação e testemunho, tem poder para transformar o coração, a mente e o caráter.


Ressaltamos ainda que cremos que a graça de Deus é poderosa e eficaz para consolar, curar, restaurar e assegurar vida abundante, mediante a fé em Jesus Cristo, aos que sofrem como vítimas da pedofilia.

Por isso, comprometemo-nos, acima de tudo, a prosseguir, como batistas, cumprindo nossa missão de evangelizar o povo brasileiro, levando a cada pessoa e a cada lar, a mensagem redentora da graça de Deus a fim de construirmos juntos uma sociedade mais justa, pura e humana.


Rio de Janeiro, Novembro 2011


CONVENÇÃO BATISTA BASILEIRA



terça-feira, 22 de novembro de 2011

Pesadelo estatal para crianças

Pesadelo estatal para crianças


 

Órgãos governamentais facilmente tiram crianças de seus pais, e facilmente as expõem a pedófilos

Julio Severo
Reportagem da FoxNews disse:
Uma nova auditoria do Estado da Califórnia revelou que mais de 1.000 criminosos sexuais estão vivendo em casas que têm licença para dar serviços para crianças, adotivas ou não.
A informação de deixar qualquer um perplexo foi descoberta depois que a auditoria foi solicitada para investigar como o Conselho Tutelar lidou com mortes de crianças em casas para crianças adotivas.
No começo deste ano, o deputado Henry Perea da cidade de Fresno solicitou que o estado investigasse as mortes de crianças que estão sob a custódia do Conselho Tutelar. A solicitação foi feita depois que Seth Ireland, um menino de dez anos, foi surrado até a morte pelo namorado de sua mãe adotiva em 2008.
Bill Grimm, o assessor jurídico sênior do Centro Nacional de Lei para Jovens, acha que a negligência dos Conselhos Tutelares de usar bancos de dados de criminosos sexuais aos quais o órgão tem acesso é “censurável e indesculpável”.
“Como é que eles tiram uma criança de sua família, do lar dos pais dela, por alegarem que a criança estava insegura ou havia sido abusada e então colocam essa criança numa instituição ou casa em que ela fica sujeita a riscos e mais abusos? Isso é simplesmente indesculpável”, disse Grimm.
Ei, descobriu-se que apenas a Califórnia tem 1.000 criminosos sexuais que vivem em casas que têm licença para dar serviços para crianças adotivas. E quanto aos outros 49 estados americanos?
Estamos vivendo em pleno século 21, não estamos? Como é que os serviços estatais para crianças podem estar expondo crianças a pedófilos?
Na década de 1980, minha amiga Mary Pride denunciou como os órgãos governamentais eram perigosos para as crianças. Naquela época, sem dúvida alguma, o Estado prometeu adotar medidas para tornar as crianças seguras de sua própria insegurança.
Então, na década de 1990, Brenda Scott, em seu livro “Out of Control. Who’s Watching Our Child Protection Agencies?” (Fora de Controle: Quem é que está de Olho nos Órgãos de Proteção à Criança?), desmascarou como os Conselhos Tutelares dos EUA facilmente tiravam as crianças de seus pais e as expunham a criminosos sexuais e outros pervertidos. De novo, o Estado prometeu corrigir sua insegurança…
Em seguida, em 2005 vimos reportagens de abundante abuso sexual contra as crianças em casas que têm licença para dar serviços de creche para crianças, ou serviços para crianças adotivas. E o Estado veio com suas promessas de sempre… E as crianças continuaram inseguras.
Lamentavelmente, o Estado tem sido incapaz de evitar expor as crianças aos criminosos sexuais. E tem sido igualmente incapaz de evitar facilmente tirar as crianças de seus pais.

Abuso: Conselho Tutelar dos EUA facilmente tira filha do casal Marcin e Nicole Leszczynski
Reportagem da FoxNews denunciou:
A filha de 3 anos de um casal do Havaí lhes foi tirada durante 18 horas depois que eles foram presos por se esquecerem de pagar dois sanduiche de 9 reais.
O passeio que se transformou em pesadelo ocorreu na quarta-feira enquanto a família estava fazendo compras na filial loca da rede de supermercados Safeway.
“Fizemos uma longa caminhada até o supermercado e eu estava me sentindo desfalecida, zonza, como se eu precisasse comer algo. Então, decidimos arranjar uns sanduíches e comê-los enquanto estávamos fazendo compras”, Leszczynski disse para o noticiário da TV.
Leszczynski, que está com 30 semanas de gravidez, seu marido Marcin e sua filha Zophia compraram alimentos no valor de 90 reais — mas se esqueceram de seus dois sanduíches com salada e frango.
“Foi uma distração completa, um momento em que nós pais nos distraímos”, Leszczynski disse para a TV KHON.
Quando a família estava saindo, o guarda de segurança os parou e pediu o recibo deles.
“Eu me ofereci para pagar. Nós tínhamos o dinheiro. Nós tínhamos acabado de fazer compras”, Leszczynski disse para a TV.
Mas, em vez de aceitar o dinheiro, a mãe grávida disse para KHON que o gerente da Safeway chamou a polícia. O casal foi levado para a delegacia de polícia de Honolulu onde foram fichados por furto de quarto grau. Então Zophia foi levada sob a guarda do Conselho Tutelar.
“Quando nos notificaram que teriam de levá-la porque ambos seríamos presos, eu simplesmente não consegui acreditar. Não pude acreditar que isso estava acontecendo, pois me esqueci de pagar o sanduíche e por causa disso nossa filha estava sendo levada para longe de nós”, Leszczynski disse para KHON.
A mãe de Zophia disse que passou a noite inteira sem dormir se preocupando com sua filha e desabafou sua angustia num site para mães chamado www.babycenter.com. O comentário dela atraiu a atenção de centenas de mães e pais que ficaram indignados.
“Não sabíamos onde estava nossa filha, não sabíamos qual era a situação. Ela não tinha nenhuma outra roupa, exceto a que havia usado no supermercado”, Leszczynski disse para KHON.
Felizmente, a menininha foi devolvida 18 horas mais tarde para seus pais. Mas 18 horas, ou alguns dias longe de seus pais num órgão estatal, é tempo suficiente para pedófilos e outros predadores fazerem seu trabalho sujo. Numa sociedade obcecada por sexo, as crianças estão inseguras sempre que estão longe de sua família natural.
Versão em inglês deste artigo: State nightmare for children
Divulgação: www.juliosevero.com
 

domingo, 20 de novembro de 2011

Globo omite homossexualidade e nome de “ex-conselheiro tutelar” estuprador de adolescentes

Comentário de Julio Severo
A Globo tem o hábito incorrigível de relatar crimes homossexuais citando nomes e escondendo a homossexualidade do autor dos crimes. Dessa vez, o ocultamento foi muito maior: O G1 não citou nem o nome nem a óbvia homossexualidade do estuprador de adolescentes que a Globo se limitou a chamar de “ex-conselheiro tutelar”.

Estuprador de adolescentes: homossexualidade e nome protegidos pela mídia esquerdista
Afinal, o que a Globo quer esconder? Quer ocultar o fato de que a agência estatal de intromissão nas famílias é passível de abrigar maus elementos, que “corrigem” os problemas das famílias impondo abusos estatais e até sexuais em crianças e adolescentes?
Os conselhos tutelares são uma grande ameaça, pois representam diretamente a interferência e arbitrariedade do Estado em milhares de famílias que não se enquadram em situação criminal. Basta uma denúncia anônima — bem ao estilo ditatorial comunista e nazista —, e o conselho tutelar intervém em famílias cristãs que educam os filhos em casa, ou disciplinam os filhos fisicamente, ou não vacinam os filhos com vacinas com DNA de bebês abortados ou com o veneno do mercúrio.
A notícia abaixo, com toda a sua omissão para proteger a reputação do homossexualismo e dos conselhos tutelares, é de autoria do G1 da Globo.

Ex-conselheiro tutelar é suspeito de aplicar golpe ‘Boa Noite Cinderela”

Ele foi preso após denúncia de um jovem de 18 anos, em Pato Branco (PR). Após a prisão, dois adolescentes o denunciaram pelo mesmo crime.
Está preso desde o início do mês de novembro em Pato Branco, Sudoeste do Paraná, um ex-conselheiro tutelar suspeito de aplicar o golpe chamado “Boa Noite Cinderela” em jovens da região. Ele foi preso após denúncia de um jovem de 18 anos, que relatou à polícia ter ingerido refrigerante com medicamentos no carro do suspeito e ter dormido logo em seguida.
O jovem afirmou que aceitou a carona do suspeito em uma boate, e que só voltou à consciência na manhã seguinte, quando foi deixado a uma quadra de casa. Ele não se recorda de nada que aconteceu durante o período em que esteve medicado. De acordo com a delegada Franciele Biava, que investiga o caso, 10 horas depois do fato o jovem ainda se encontrava sob efeito dos remédios.
“Ele não tinha condições sequer de conversar”, disse Biava, que contou que um laudo de lesões corporais comprovou que a vítima apresentava sinais de mordida nas costas. O resultado de outro exame para apurar se houve violência sexual é aguardado pela investigação.
Após a prisão do suspeito, dois adolescentes de 17 anos procuraram a polícia para denunciar o mesmo suspeito, pelo mesmo crime.
Boa Noite Cinderela
O golpe costuma ser aplicado em boates e bares, quando as vítimas se descuidam do seu copo, ou aceitam bebidas de estranhos. Normalmente são misturados ao líquido diversos tipos de medicação, com objetivo de sedar o alvo. De acordo com o neurologista Frederico Rodrigues, o tipo de remédio varia.
“Tem aquelas que são utilizadas até para anestesia, ou seja, o paciente desmaia, perde a consciência total, e existem outras drogas que são chamadas hipnóticas, em que o paciente não perde a consciência no sentido de desmaiar, mas perde a noção do que está fazendo, não consegue ter uma memória daquele período que se passa sob efeito da medicação”, explicou.
Divulgação: www.juliosevero.com

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Violência sexual contra criança e adolescentes: uma responsabilidade de todos - Professor Universitário da Universidade Federal de Rondônia pratica a sua ideologia esquerdista neo-marxista de relativismo na prática de sua PEDOFILIA.

Violência sexual contra criança e adolescentes: uma responsabilidade de todos


Amor proibido com menor de 17 anos pode levar professor universitário de Ji Paraná à prisão, fotos mostram o garoto com lata de cerveja e abraçado o professor da universidade federal de Rondônia

VIOLÊNCIA SEXUAL NO BRASIL

A violência sexual praticada contra crianças e adolescentes se faz presente em todas as regiões do país, onde muitas vezes os seus agressores estão dentro das suas próprias casas, pois na grande maioria dos casos os agressores são pessoas de confiança das crianças e adolescentes, o que torna muito dificultoso tanto o trabalho de descobrimento do crime quanto à avaliação de traumas sofridos por essas pessoas.

Sobre o assunto vale destacar uma passagem do livro sobre direitos sexuais da criança e do adolescente1 :

Geralmente há uma proximidade afetiva e de confiança entre a vitima e o agressor, mesmo se este não faz parte da família. O vizinho, professor ou (ex) namorado são pessoas que configuram no topo da lista de agressores sexuais. A dominação pela sexualidade implica na quebra do pacto de confiança e proximidade a favor de um pacto de silêncio e medo que possibilita o abuso sexual.

Quando as crianças e os adolescentes não são vítimas diretas dentro da sua própria casa, ou seja, quando não sofrem a violência sexual dentro do seu seio familiar, muitas vezes meninas e meninos são negociados como mercadorias no mercado negro do tráfico sexual, onde há freqüentemente participação dos pais na venda dessas crianças, principalmente, no sertão nordestino, onde a população que sofre com a seca é refém dos atravessadores do tráfico sexual que se oferecem a comprar meninos ou meninas sadias, sobre a alegação de proporcionar aos mesmos uma melhor qualidade de vida.

O que muitas vezes as famílias que sofrem com esse tipo de abordagem não sabem, é que essas meninas ou meninos serão vitimas de uma crueldade sem precedentes, já que mais uma vez serão negociados com os donos de estabelecimentos que exploram a prostituição infantil e a exploração sexual, sendo esses seres humanos expostos a todo o tipo de violação possível seja ela de cunho físico, moral ou psíquico levando-os a completa perda da dignidade da pessoa humana.

A violência sexual que sofrem crianças e adolescentes em todo o país é um gênero do qual fazem parte a prostituição infantil e a exploração sexual, condutas tipificadas como crime no art.244-A do Estatuto da criança e do adolescente, esses retiram da criança a sua dignidade, violam a sua liberdade e ainda os privam da capacidade de sonhar numa fase da vida onde os sonhos são essenciais para o desenvolvimento de um ser humano consciente e preocupado com os seus semelhantes.

É importante aqui destacar um trecho da obra sobre crimes praticados contra a criança e adolescente2:
O abuso e a exploração sexual ferem um leque de direitos fundamentais da criança e do adolescente, tais como: a dignidade, a imagem, o seu desenvolvimento físico e psíquico (mental, moral e espiritual), bem como o seu direito a liberdade. Tais ilícitos violam o direito ao respeito (art.17 do ECA), isto é, a integridade física, psíquica e moral da criança e do adolescente, viola-se seus valores, idéias e crenças.
As crianças e os adolescentes vítimas de violência sexual carregam traumas, que segundo especialistas são irreparáveis, sendo muito importante durante o tratamento desses menores o apoio da família, já que a violência sofrida por essas pessoas quebra o pacto social do qual depende a estruturação de todo indivíduo, ou seja, essas crianças e adolescentes perdem a sua identidade e passam a assumir uma identidade que não as pertence, justamente durante esse processo o apoio familiar é imprescindível para que a identidade perdida seja resgatada e assim devolva a essas vitimas, na medida do possível, uma condição de vida digna.

Um grande exemplo de como as crianças e adolescentes brasileiros são vitimas de violência sexual, vem retratado no filme nacional anjos do sol de direção de Rudi Lagemann, este filme foi estruturado em cima de notícias de vitimas de violência sexual no país, onde se pode observar a crueldade com que essas crianças são tratadas no mercado negro do sexo, destacando-se a região amazônica como um grande ponto de turismo sexual, já que as meninas ficam isoladas no meio da floresta a serviço dos trabalhadores da região e cumprindo ordens do cafetão, e quando essas ordens são desobedecidas chegam a ser castigadas e muitas pagam um preço altíssimo perdendo a própria vida.

O filme foi baseado em histórias reais e ao assistir as imagens fica um sentimento de revolta por saber que isso tudo acontece todos os dias na realidade brasileira, hoje há mais de cem mil crianças vitimas de prostituição infantil e exploração sexual por todo o Brasil. Quem são os responsáveis por esses meninos e meninas vitimizados?
O Estatuto da criança e da adolescência elenca no art.244-A o crime de violência sexual ao dispor que:
Art. 224-A: Submeter criança ou adolescente, como tais definidos no caput do art.2º desta lei, à prostituição ou à exploração sexual:
Pena-reclusão de 4 a 10 anos e multa. [....] (Grifos Nossos)
Esse artigo só foi introduzido no Estatuto da criança e do adolescente em 2000, com o advento da Lei nº 9.975, até então esse tipo de violência sexual era tratado de acordo com as diretrizes gerais de direito penal, mais foi um grande avanço para o ECA a inserção no seu texto dessa pratica lesiva contra os direitos dos menores, onde percebe-se que a violência sexual é o gênero da qual fazem parte as condutas de exploração sexual e prostituição infantil.
O próprio artigo deixa clara a distinção entre as condutas, pois a prostituição infantil é o comércio de fim sexual em troca na grande maioria dos casos de dinheiro, mais já foi constatado que muitas meninas e meninos são obrigados a vender o seu corpo em troca de comida, o que leva a percebe o grau de miserabilidade de uma parcela da população que está à margem da sociedade. Já a exploração sexual é toda forma de proveito sexual sobre alguma pessoa, podendo ser comercial ou não, havendo contato físico ou não.

A exploração sexual sem contato físico ocorre quando a criança é estimulada através de fotos, histórias, pornografia, imagens, tanto pelo meio de comunicação quanto ao vivo, ou também pode acontecer quando ela é obrigada a despir-se para o estimulo dos prazeres de um adulto. Ao contrário da exploração sexual sem contato físico, está aquela que há o contato direto da criança, onde a mesma tem o seu corpo invadido por outra pessoa na busca de satisfação de prazer ou por pura perversidade.

O Estatuto da criança e do adolescente cumpriu o seu papel prevê essas condutas como crimes, mas a mera previsão não surte muitos efeitos, já que é necessária uma interdisciplinaridade de políticas públicas para que haja não só as prisões daqueles que violam sexualmente de nossas crianças e adolescentes, mais também para que ocorra um processo de acompanhamento social dessas pessoas a fim de devolver a dignidade perdida.

E essas políticas públicas devem ir além, não ficar só no campo da repressão, mais principalmente focar na prevenção de danos, resgatando a dignidade dessas famílias que estão à parte da sociedade.
Apesar de a violência sexual acontecer da classe A a E , as pessoas mais atingidas são justamente as igualmente expostas as mazelas sociais, já que aqueles que detém capacidade econômica na grande maioria da vezes sofrem a violência sexual, só que fazem a opção de ficarem em silêncio para evitar escândalos, enquanto que os menos abastados financeiramente sofrem a violência e ficam em silêncio não por opção, mas sim por medo de represália do próprio agressor.
Está mais do que na hora da sociedade mudar esse cenário de crimes sexuais e passar a cumprir os ditames constitucionais, olhando assim pelas crianças e adolescentes brasileiros de uma forma que possa ser implementado todos os seus direitos dispostos no Estatuto da Criança e do Adolescente, para isso basta obedecer a Lei e fomentar políticas públicas que produzam resultados sociais.
CONCLUSÃO
Diante desse quadro lamentável de violência sexual no país, chega-se a conclusão de que essa responsabilidade é de todos nós, quando uma criança ou adolescente é vitima de violência sexual não falham só as instituições estatais, junto com elas falhamos eu e você, ou seja, toda a sociedade, pois a própria Carta Magna de 1988 dispõe ser dever de todos selar pelo bem-estar de nossas crianças.
Por isso façamos nossa parte na luta contra o combate a violência sexual no país articulando junto com a família e com o Estado políticas públicas de resultados, que venham a impedir, enquanto há tempo, que outros anjos sejam aliciados por esses malfeitores e que o futuro do nosso país não seja de crueldade e abusos , mais sim de concretização de um dos principais fundamentos da República Federativa do Brasil a Dignidade da Pessoa Humana.
Parece que o professor universitário de Ji - Paraná perdeu a noção da realidade, fotos mostram o menor com lata de cerveja nas mãos.

Simplesmente se apaixonou pelo menor, uma menor de 17 anos de idade, levou o apaixonado para Ji Paraná e os dois ficaram lá.

O professor universitário conseguiu um vitoria grandioso o apoio da família da vítima, resta saber se ele conseguiu o apoio da justiça que luta contra exploração sexual, onde garotos em situação de muita vulnerabilidade vendem o seu corpo para ter regalias com os afortunados.
Fotos abaixo prova que o menor com lata de cerveja ao lado do professor isso é prova?,Difamação mostrar foto de um menor tomando cerveja ao lado de um professor universitário de Ji Paraná?.O docente garantiu a uma fonte que o que a une ao menor é amor verdadeiro e não mero desejo sexual. Tanto que chegou a conversar com mãe da menino.
Fonte disse que já foi denuncia o ao reitor da faculdade e que ele lhe pediu para não tornar o caso público. Há suspeitas de que outros menores.
O silencio da direção da faculdade onde o professor trabalha, a policia terá que chamar para prestar esclarecimentos. Ele foi alertado via email sobre o caso, mas nada Fez, difamação já caiu por terra, porque as fotos mostram o fato,o menor tomando cerveja ao lado do professor universitário como pode?O professor so ai já cometeu um crime, não da para entender o silêncio da faculdade vejam as fotos abaixo,a tese de calunia,injuria,difamação,não existe, porque as fotos responde por si só,se não existisse as fotos poderia levar em consideração esse fato,mais com as fotos cai por terra todos esses argumentos.

Fotos mostram professor universitário ao lado de um menor tomando cerveja De acordo com informações de uma fonte, a policia vai proceder de uma investigação, onde o Ms Paulo Dutra(UNIR/Ji-Paraná) , será investigado a partir dessa semana. Em recente entrevista professora Antonieta da Silva, sobre o caso do professor universitário de Ji Paraná, ela destacou um ponto crucial mantenedor de tanta violência e impunidade; O SILÊNCIO! Disse que a acusação contra o professor universitário é fruto de um caso do ex do garoto e as fotos é o que? Montagem?Mentira. Em uma foto o menor aparece tomando cerveja ao lado do professor que isso?É mentira as fotos?Menor tomando cerveja?Calunia?, a lei permite menor tomar cerveja?Será que o professor universitário de Ji Paraná esta acima da lei?Justificar as graves denuncia acusando outra pessoa de ciúme então é verdade que esta casado com o menor?É verdade que tirou o garoto de casa e colocou na casa de amigos para despistar a policia?
Para ela, durante os sete anos que está à frente da luta contra a exploração de garotos pobres e que para mudar de vida e ganhar dinheiro fácil fica com pessoas com bom aquisitivo nesse contexto passa ser explorado sexualmente com próprio consentimento, o SILÊNCIO é a principal desgraça na vida das vítimas e benção para os estupradores e pedófilos e de outros violentos, que espancam esposas, ou racistas e preconceituosos que agridem negros, índios, pobres, feios, fracos, homossexuais, prostitutas, obesos, idosos e todos que estão em condição de fragilidade ou em desvantagem social.

Este SILÊNCIO ESTUPRADOR começa a perturbar e incomodar várias pessoas e consciência e não é coincidência não esse início de levante, é pura indignação social de como estão silentes quem deveria estar se pronunciando, ainda mais pela gravidade do fato.

Vários sites percebeu o SILÊNCIO das autoridades, com relação a acusação contra o professor universitário de Ji Paraná,alegar ciúme do ex do menor é confessar que esta praticando o crime de exploração sexual.
Varias pessoas não está em SILÊNCIO e enviou e tem enviado email revoltada com, “o SILÊNCIO das instituições de defesa da criança e do adolescente. Em plena campanha de enfrentamento ao abuso e exploração de menores esta notícia bombástica parece não ter incomodado os que usam a mídia para se intitular defensores da família, dos bons costumes etc etc...”, desabafou entre outras justas cobranças as autoridades.
Também está em SILÊNCIO ESTUPRADOR a universidade que o professor trabalha deveria agir para afastar o professor e não acreditar que é vingaça de alguém as fotos é o que?significa o que?ciúmes do menor?Significa confessar a pratica do crime,

E tem o SILÊNCIO da OAB/RO, dos líderes religiosos, entre outros, que já deveriam ter se manifestado e ainda estão inertes, como se nada estivesse acontecendo!

O SILÊNCIO de quem deveria agir está estuprando moralmente as crianças, as adolescentes e as mulheres que sofreram este tipo de violência.

Este SILÊNCIO ESTUPRADOR está servindo de guarida para delinqüentes sexuais continuarem a estuprar e fazer novas vítimas.


NA MINHA OPINIÃO...


... Este SILÊNCIO ESTUPRADOR é filho da omissão com a indiferença. É carregado de uma terrível e fria má vontade política e social que estende a mão sobre as mentes pervertidas estupradoras e pedófilas protegendo-as das vistas das famílias das vítimas. As autoridades que deveriam tomar providências, e não tomam, promovem mais violência contra as vítimas e proteção aos pervertidos, já que nada ou quase nada fazem para detê-los e simplesmente acredita na versão do professor que a motivação para tudo isso é ciúmes então já é réu confesso, confessou que mantém relacionamento com o menor.

Estes autores criminosos e covardes que se regozijam com a falta de punições e com as facilidades de agir aproveitam amplamente este SILÊNCIO ESTUPRADOR que marca para sempre mentes inocentes e indefesas que choram e não são ouvidas, gritam e quase ninguém percebe, pedem e não recebem, imploram e não são atendidas.
Caso parecido Na época, o professor acionou a Polícia Militar porque a casa dele havia sido furtada. A polícia foi até a residência e encontrou, próximo à casa, adolescente, de 15 anos e um outro rapaz, maior de idade, com os objetos que foram reconhecidos pelo professor. O menor foi apreendido por furto qualificado e o maior foi preso em flagrante pelo mesmo crime.

Leia mais notícias no Gazeta Online Sul

Na delegacia, a polícia desconfiou da versão do menor, que disse que tinha a cópia da chave da casa do professor. Quando questionado, o adolescente confessou que mantinha relações sexuais com o professor há três anos.

O menino foi encaminhado para fazer tratamento com psicóloga e a polícia conseguiu um mandado judicial de busca e apreensão na casa do professor. Lá, foram encontradas várias fotos que de acordo com o delegado Paulo Amaral, são suficientes para justificar a prisão de Valter.

O outro rapaz que prestou depoimento confirmou a versão apresentada pelo menor. Segundo o delegado, o rapaz disse que os dois frequentavam a casa do professor, que oferecia bebida alcoólica a eles e exibia filmes pornográficos.

Após sete meses de investigações, o professor teve prisão preventiva decretada na tarde da última segunda-feira (10), e foi encaminhado à delegacia de Conceição de Castelo, onde está detido à disposição da justiça, já que na de Muniz Freire não há carceragem.

Ainda de acordo com o delegado Paulo Amaral, o professor, que já foi diretor da escola estadual Arquemino Matos, foi preso pelos crimes de estupro de vulnerável e responderá por corrupção de menor. O acusado pode pegar até 30 anos de cadeia.

Professor compra adolescente com dinheiro com quem mantém casamento em RO

Professor universitário e pesquisador sobre Relações Raciais

Professor universitário e pesquisador sobre Relações Raciais, Sexualidade, Violência e História Paulo Dutra, poderá ser foi autuado em flagrante e preso, em Cuiabá onde será porta voz da historia da educação do negro no Guaporé, por exploração sexual de um menor de 17, ele mantém um casamento estável com o adolescente.


quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Um pedido aos ateus: A pedofilia é a próxima bola de neve; recuemos agora antes que seja tarde.

Um pedido aos ateus: A pedofilia é a próxima bola de neve; recuemos agora antes que seja tarde.
Rabino Moshe Averick

É evidente que no mundo do ateísmo não há nem moralidade, nem imoralidade; apenas amoralidade. Isso é geralmente mal interpretado como se ateus não tivessem valores. Essa conclusão seria claramente errônea. Associar ateísmo com amoralidade não significa dizer que ateus não possuem valores, pois eles certamente os têm; amoralidade é uma definição, não da inexistência de valores, mas do significado desses valores. Uma vez que na visão de mundo ateia nós somos nada além de primatas bípedes, nosso sistema de valores não tem mais significado do que o dos nossos parentes que vivem na selva. Na visão darwinista, o humano é para a barata assim como a barata é para um protozoário. Imaginar que nós somos algo “mais" é apenas isso: fruto da imaginação humana.

Seria absurdo então para um ateu sugerir que o pronunciamento de qualquer indivíduo ou sociedade obrigasse os outros a se comportar adequadamente. Para o ateu, moralidade é nada mais do que uma palavra usada para descrever o tipo de sistema que um indivíduo ou grupo de indivíduos preferem subjetivamente. Cada sociedade determina, mantém e modifica seus valores para suprir suas necessidades.

"Moralidade é o costume de um país e o sentimento atual de um indivíduo e seus semelhantes. O canibalismo é moral em um país canibal". (Samuel Butler)

Torna-se óbvio que esses valores irão mudar e se transformar para se adaptar a necessidades, atitudes e preferências em constante mudança. Durante a minha vida eu testemunhei mudanças sociais radicais do comportamento moral e de atitudes com relação a casamento e sexualidade, homossexualidade, assassinato de bebês no ventre na mãe, eutanásia e uso de drogas ilícitas.

Pode-se prever que à medida que a paixão pelo ceticismo e ateísmo cresce entre as “elites intelectuais” influentes na sociedade, também cresce sua propensão a aceitar mudanças cada vez mais radicais nos valores morais. Religiosos expressando consternação e terror diante da nefasta tempestade moral que dá sinais no horizonte são respondidos com risinhos presunçosos, contra-acusações histéricas ou total indiferença. Não há nada que as sociedades ateias não sejam capazes de racionalizar e aceitar – incluindo o abuso sexual de crianças.

Sem dúvida essa afirmação vai soar absurda e ofender alguns ateus. No entanto, não há como escapar das consequências lógicas e filosóficas do conjunto de crenças dos ateus. Quando indagado pelo jornalista William Crawley se ele achava a pedofilia “inerentemente má”, o Professor Peter Singer da Universidade de Princeton – mundialmente famoso filósofo de “ética”—respondeu o seguinte:

“Não tenho tabus morais intrínsecos. Na minha visão não há nada inerentemente mau... você está tentando colocar palavras na minha boca.”

Singer prosseguiu explicando que ele era um “consequencialista”. Para ajudar os não familiarizados com termos filosóficos, permitam-me uma síntese do que é "consequencialismo": Se você gosta das consequências, é ético; se você não gosta das consequências, não é ético. Portanto, se você gosta de pornografia infantil ou de fazer sexo com crianças, isso é ético; se você não gosta de pornografia ou de fazer sexo com crianças, não é antiético. Em um artigo intitulado “Heavy Petting” (poderíamos traduzir informalmente como “Pegação”), Singer igualmente deu seu selo de aprovação à zoofilia. Como prêmio por produzir tamanhas pérolas de sabedoria, foi agraciado com o privilégio de ensinar "ética" aos nossos filhos nas universidades de Ivy League. Além do mais, Singer não é o único filósofo ateu incansavelmente engajado na tentativa de empurrar o a civilização ocidental para essa arriscada ladeira na qual ela bordeja. Eis a razão do meu “pedido” aos ateus, pois as bases filosóficas para a aceitação da pedofilia já estão plantadas por esses filósofos.

Joe Marks, Professor emérito de filosofia da Universidade de New Haven, que durante 10 anos escreveu para a coluna "Momentos Morais" da revista Philosophy Now, fez esta chocante reviravolta no seu artigo de 2010 intitulado "Um Manifesto Amoral”:

“O filósofo que vos fala esteve trabalhando sob uma improvada assunção, a saber, de que há algo como o certo e o errado. Eu acredito que não há... Sendo curto e grosso, estou convencido de que o ateísmo implica amoralidade, e uma vez que sou ateu, devo aceitá-la... Passei pela chocante epifania de que os fundamentos religiosos estão corretos; sem Deus, não há moralidade. Mas ainda acredito que eles estão errados quanto a haver um Deus. Acredito, portanto, que a moralidade não existe.

Marks então, de forma bastante franca e ousada, demonstra as implicações de suas crenças recém-descobertas.

“Mesmo que palavras como "pecaminoso" ou "mal" venham naturalmente na ponta da língua ao fazer uma descrição do abuso de crianças, o fato é que elas não descrevem as reais propriedades de absolutamente nada. Não existem pecados propriamente ditos porque não existe um Deus propriamente dito... nada é literalmente certo ou literalmente errado porque não existe uma moralidade... e apesar disso, nós, seres humanos, ainda podemos descobrir diversos recursos completamente e naturalmente explicáveis para motivar certas preferências. Por essa razão, a maioria de nós é bastante avessa ao abuso sexual de crianças e continuará sendo...

Nesse ponto a completa falência intelectual (e moral) da posição de Marks se torna patente. Depois de concluir corretamente que um mundo sem o divino está livre das algemas de conceitos ilusórios de moralidade e imoralidade, ele pateticamente tenta ficar com o toucinho e com o porco ao mesmo tempo, sugerindo que há algo "bom" ou "melhor" quanto à preferência de se ser avesso ao abuso de crianças. Difícil saber se rimos ou choramos desse patente exercício masoquista de dar murro em ponta de faca. Não constitui esse argumento toda a diferença entre "preferência" e "moralidade"? O reconhecimento de que há algo inerentemente e intrinsecamente abominável no abuso sexual de crianças o transforma em imoral, ao invés de meramente algo do qual não se gosta. A moralidade sugere que há princípios de comportamento que são parte da própria estrutura da realidade, princípios dos quais o Dr. Marks só vê significado se vierem do Todo Poderoso. A preferência, por outro lado, é subjetiva e notoriamente caprichosa. Como por exemplo: Prefiro sorvete de chocolate que de baunilha. Prefiro jazz a hip-hop. Prefiro que adultos façam sexo com adultos ao invés de crianças ou com o animal de estimação da família.

No entanto, como o Dr. Marks admite, outras pessoas têm preferências diferentes, não menos válidas do que a sua própria. O Dr. John Money da Universidade de Johns Hopkins proclama: “Se eu visse um caso de um garoto de 10 ou 12 anos que fosse intensamente e eroticamente atraído por um homem nos seus 20 ou 30 anos, se o relacionamento fosse genuinamente e totalmente mútuo, assim como os laços afetivos... então eu não chamaria isso de patológico de forma alguma" (em vista da sua opinião profissional, fico imaginando quantos vizinhos teriam coragem de deixar seus filhos irem brincar na residência dos Money).

Em 17 de agosto de 2011, uma conferência patrocinada por uma associação de profissionais de saúde mental chamada B4U-ACT foi realizada em Baltimore, Maryland, EUA. O panfleto oficial dizia:

“Este dia de conferência irá facilitar a troca de ideias entre pesquisadores, acadêmicos, médicos de saúde mental e indivíduos que sentem atração por menores que se interessem por assuntos fundamentais acerca da inclusão da pedofilia no Manual Diagnóstico e Estatístico de Desordens Mentais (MDEDM)”.

De forma mais clara, essa conferência cujo objetivo é facilitar a remoção da pedofilia da classificação oficial de desordens mentais da Associação Americana de Psiquiatria. A B4U-ACT já inventou um termo insosso, inócuo e inofensivo para tornar a ideia de sexo com crianças mais palatável. “pessoas que sentem atração por menores” Essa frase soa quase agradável, distintamente diferente daquelas repugnantes e em breve politicamente incorretas palavras como “pedófilo” e "molestador de crianças". (Como pedofóbico soa para você?) Como já era de se esperar, o palestrante de destaque é o Dr. Fred Berlin da Universidade de Johns Hopkins, colega do Dr. John Money. A defensora das crianças Dr. Judith Reisman revelou que a conferência é parte de uma estratégia para condicionar as pessoas a aceitar os pedófilos. “A primeira coisa que eles fazem é tirar das pessoas a ideia do que o criminoso cometeu para focar em seu estado emocional... causar empatia e simpatia... Você não muda uma nação toda de uma vez, mas deve mudá-la pelo condicionamento”.

Embora publicada há mais ou menos duas décadas, uma edição especial do Journal of Homossexuality chamada Male Intergenerational Intimacy (Intimidade Intergeracional Masculina) editada por três acadêmicos prestigiados (todos PhD's) nos dá um gostinho do que há por vir:

“Na sociedade ocidental contemporânea, relações sexuais íntimas entre homens e garotos são consideradas igualmente imorais... independente dos contextos emocionais em que elas ocorrem [não de acordo com Joel Marks e Peter Singer!]... o clima social atual torna um tanto difícil olhar para esses relacionamentos de forma objetiva... relacionamentos entre homens e garotos não são incomuns. Assim como na homossexualidade, a sexualidade entre homens e garotos ocorre não raramente em um contexto em que ambas as partes consentem... nesses relacionamentos uma diversidade de sentimentos são ou podem ser expressados: afeição, vínculo emocional, desejo, dominação e submissão... homens que se sentem atraídos por garotos precisam legitimar seus sentimentos com relação a eles mesmos e à sociedade".

Agora todos estão dando pela falta de um estudo acadêmico “científico” que nos informe que finalmente conseguiram isolar o gene da "atração homem-criança"! Vem à mente um provérbio alemão: "So fangt es immer an"— "Sempre começa do mesmo jeito”. O que também vem à mente é a letra de uma antiga canção de protesto de Barry McGuire dos anos 60: :"And you tell me over and over again my friend, you don't believe we're on the eve of destruction?" (E você não cansa de dizer, meu amigo, que não estamos à beira do abismo?)

A noção ateia de que a vida surgiu aleatoriamente de uma sopa prebiótica, combinada à crença darwinista de que os humanos são nada além de chimpanzés inteligentes nos deixa desprovidos da moral. Em uma sociedade em que a escola considera um nobre empreendimento ensinar um garoto adolescente como usar um preservativo, mas considera estritamente proibido ensiná-lo que Deus nos proibiu de roubar ou matar, como se pode prever outra coisa a não ser um profundo e cada vez maior abismo moral? Enquanto houver reais desafios em determinar exatamente o que o Senhor quer de nós na esfera moral, vamos todos concordar, pelo menos, com as seguintes premissas antes que seja tarde demais:

* Todos os seres humanos são criados à imagem e semelhança do Senhor e são portanto inerentemente e intrinsecamente preciosos.

* Todos os seres humanos foram presenteados pelo nosso Criador com direitos intransferíveis, dentre eles os direitos à vida, à liberdade e à busca da felicidade.

* Não matarás

* Não roubarás

* Não darás falso testemunho

* Não adulterarás, não cometerás incesto, nem te deitarás com animal algum

* Não te deitarás com criança, e se o fizer, serás amaldiçoado e desprezível aos olhos do mundo, e serás tratado como criminoso.

* Ensinarás estas leis a teus filhos.

Defendemos essas verdades como incontestáveis, não por meio de procuração de algum tipo de contrato social pragmático que pode ser emendado ou revisado aos caprichos e conveniências do momento; não como resultado de insípidas contemplações filosóficas dos autointitulados professores de “ética”; mas porque refletem as eternas, imutáveis e absolutas leis morais que emanam do Todo-Poderoso, Criador do universo e de toda a humanidade.

Um sábio uma vez observou que enquanto a crença no divino após o holocausto pode ser difícil, a crença no homem após do holocausto é impossível. As escolhas diante de nós são claras. Ou nós buscamos uma lei moral transcendente à qual todos nos submetamos, ou buscamos nossa própria indulgência social e moral. Se nos voltarmos para Ele em nossa busca para criar um mundo moral e justo, teremos uma chance de lutar; se não, estaremos condenados à espiral de um inferno artificial na selva humana.

Traduzido por Luis Gustavo Gentil especialmente para o Blog Julio Severo: www.juliosevero.com

Título original: The flash-mob method of scientific inquiry


Divulgação: www.juliosevero.com

Artigos relacionados:

Artigos relacionados no Blog Julio Severo:
Anarquia sexual: o legado de Kinsey, da Dra. Judith Reisman

Anarquia sexual, de Matt Barber

 
Divulgação: http://luis-cavalcante.blogspot.com

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA REFORMADA

Reformar a Sociedade Brasileira através da Reforma da Educação
e Cultura a partir da Cosmovisão Cristã, Reformada e Calvinista.